terça-feira, 13 de novembro de 2018

Seres alados


Um perfume me ventou
os olhos marejados de dor...
Que antes, nem via mais flor,
onde um jardim já se plantou...

Uma certeza canta minhas horas:
a de que bradarei assombrado
a leveza dos seres alados,
mesmo quando a desalegria vigora...

E me gorjeiam então, assim,
Passarinhos alegres coloridos,
com seus tititis e alaridos,

sendo a força e a vida, enfim,
antes dos começos dos sentidos,
de tudo o que sinto em mim...

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Liberdade



As pedras que levantamos,
os ares em vento trocados,
as linhas dos dias passados,
e tudo mais que esperamos,

são os mesmos sonhos cantados,
nas odes de honra e de dor,
nas promessas plenas de amor,
nas certezas dos desejos encantados...

Pois que ontem, e hoje nos levantamos,
seguramos firmes as bandeiras
da Paz, da Justiça, da brincadeira,

da leveza que em nós materializamos,
porque do povo trabalhador é a dianteira
na luta pela liberdade, que amamos...

domingo, 11 de novembro de 2018

Meninos


Picar alho e cebola,
fritar arroz e feijão...
Um dia a dia, celebração,
de simples alegria tola,
porque tolo é o coração...


Ou será que não?
Será esta felicidade
aquela da simplicidade
que surge na imensidão,
e se cristaliza na verdade?


Eu apenas vejo a claridão,
da leveza do desatino,
que colore nossos destinos,
e se cria de nossas mãos,
desde nós todos meninos...

sábado, 10 de novembro de 2018

Canto


Um canto pra uma pessoa,
viver, ouvir, falar, chorar,
sentir a brisa do mar,
e criar no seu tempo atoa...

Um espaço pra se voar,
com calças de linho leve,
sentenças de eternidade breve,
e alegrias pra alma encantar...

A vida pede força e perícia,
calor, amizade, vontade,
intensa lida, com bondade,

e tanto quanto possível, carícias,
pra gente se verter inteiros,
libertos, como flores nos canteiros...

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Haver...


Eu vim pra cá pra tocar,
pra servir ao mundo pelo som,
pela canção, pelo seguir do tom,
pela atenção que fiz soar...

Estou então sentido,
feito o mais distante falado,
feito o queijo, a faca, o prato,
sem a fome, e o que lhe dá ouvidos...

Seguirei então esta glosa,
que os cabelos arrepia,
na forma das cores do dia,

e aos cabelos molhados tosa....
Eu e este dia a dia
com tudo mais que há, e havia...

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Tentação


Quem de nós saberá, ou sabia,
da noite cantada por grilos,
da dor excruciante do exílio,
da maldade que povoa estes dias?

Quem imaginava essa letargia,
a retardar as sombras e luzes,
povoar nosso medo de cruzes,
e cantar horrores à revelia?

A história se apresenta insólita,
e chuta nossa bunda, inadvertida
e seguidamente grita que a vida,

pode nos jogar contra a parede sólida,
e por isso, pede nossa atenção,
pra nos salvar da armadilha da tentação...

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Caminhada


Uma velha canção, se fez nova,
mostrou-se intransigente e fina,
cantou-se nas tardes e matinas,
firmou-se em Loas e Trovas...

E eu, cantor das arrelias,
andante, ventado nas estradas,
não vendo pouso ou parada,
sigo pra me encontrar com o dia...

Pois que a noite sem guarida,
é tempo de seguir caminhada,
sem temer a rota atribulada,

mas, antes, por amor à vida,
ter nos passos seguidos, comida,
e na sequencia dos rumos, morada...