quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Lavramento no vazio


Qual o único critério
que nos conduziria
à verdade em clara gíria,
em inocultado desmistério??

Qual a verdadeira procissão
que segue quem a busca
sem deparar com a perdida luta
que nos verte em amor e perdão?

Eu somente existo, nisto,
que crio em palavras
do nada, que sem terra, lavra,

como eu que escrevo/insisto,
neste vale de vãos e vias,
ondas e palavras cheias e vazias...

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Cura



              Eu via o campo, e todas
as flores, forças, prazeres,
quereres, pensares, amores,
e risos largos, folhas soltas...

Eu via o amor em beijos e horas,
em praças e listas,
alpendres com e sem vistas,
e a existência em sua demora...

Meus cheiros se misturaram,
meus gostos aprenderam os seus,
e mesmo estando, em tudo se deu

que minha vida, e o mundo, se uniram ,
em ladainha de venturas,
onde a eternidade se cura...

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Gozo...


Quem vale mais,
em nossa convivência?
Quem lavra as terras gerais,
ou quem sabe fazer continência?


Quem ganha prêmios
em nossas relações?
Quem doura suas ações,
com a cobertura, desde os primórdios?

Ou o que enfrenta o juízo,
de frente o julgamento,
que diz do merecimento,

em busca doque, verdadeiramente prezo,
o que não impede o movimento
e se lança na direção do gozo??

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Trilhando



Eu ando, mexo, subo,
encaminho, me ausento,
no vazio do ar me sustento,
e cantando me faço mudo...

Eu sinto falta da exatidão
que definha séculos e milênios,
determina eras, devora Abissínios,
canta os Galos da imensidão...

Sei que vou seguir indo,
como o rio que busca
o mar que brilha e ofusca

pelo tamanho e por ser lindo,
pelas rebarbas da gente sorrindo,
pela maciez desta pegada brusca...

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Acordar


Me esforço pra acordar...
Dar a cor, sabe? Não só repetir,
mas ir além do que se ouvir,
aquém do imerso de ressonar...

Me encanto em desabrochar,
como o Bem-te-vi dançarino,
ou as bem-aventuranças do menino,
ou a Viola em acordes bordar....

Talvez o que se dê por aqui
com ressonâncias e intenso anil,
seja não mais, céu primaveril,

onde o que conta faz de si,
jeitos de servir e verter,
estradas de de si tecer...

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Compra e venda



O que nos dificulta a facilidade,
ou facilita nossa dificuldade,
tem razões de Cicuta na Socratidade:
de remédio, tratamento e "sanidade"...


Nossa vida é campo de provas,
destempero de amarras postas
em finas camadas interpostas,
nos afãs dos finais que nos renovam...

Eu era barquinho na arrebentação!
Nem sábio, nem besta, nem doido,
insana e insalubremente são,

tendo a paciência de ser afoito,
lambendo de toda ciência, a mão,
feito cão que se vende por biscoito...



sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

De me compor


Eu ando inventando,
a mim mesmo, e a rota,
que de tudo, de mim, brota,
e re-faz este mundo girando...

Eu voo me perfumando,
com os cheiros do ar,
que está em todo lugar,
e vai se misturando...

Com toda gente que há,
aqui, ou em outra instância,
em outra lembrança da infância,

eu venho me compondo pra cá,
pra lá, pra todo canto sussurrado,
ou gritado, mas de coração cantado...