sábado, 18 de novembro de 2017

Nova escravidão

Barracas com famílias Africanas nas ruas (geladas) de Montreuil

O mundo, como o conhecemos,
começou com gente
que preta, pequena, descente,
que na África, d'onde viemos,
resolveu criar asas,
e fazer do planeta sua casa.

Assim caminhamos pelo mundo,
e a solidariedade entre nós,
criou laços, fitas, retrós,
agulhas e linhas, que costuram tudo,
que nos tornam Franceses, Zulus,
Brasileiros, Americanos, Bantus...

Mas este caminho faz tempo,
e nos esquecemos das mãos,
que nos demos, antes irmãos,
uma verdade levada pelo vento...
Agora vale o bem-nascido,
antes do companheiro querido...

Antes da criança que tem fome,
antes da senhora em suas dores,
do senhor nas horas dos pavores,
está um "mercado" que nos come,
que nos condena à servidão
hedionda do egoísmo, a nova escravidão...

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Senhoras que caminham


Onde as línguas são outras,
outros os dizeres de amor,
outras canções de labor,
mesmas são as velhas labutas...

Onde as gentes conversam,
amam, pedem, choram, riem,
castram, contam, gritam, dizem,
as histórias se vertem e cantam,

não de si, somente, as bocas,
mas do dito em tantas floras,
flores de dizeres, palavras canoras...

Na terra das línguas outras,
outros os ouros, as horas,
e as caminhantes senhoras...

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Caminhos


A vida surpreende caminhos
rumos de vento e sol,
trilhas em que venho e vou. 
E gentes capazes de carinho

Que nem, ou ninguém espera,

nestes lugares de terra dura,
e corações, pelo tanto que o frio fura
o calor que humano tivera...

Mas a estrada faz surpresas...

mostra o velho Sol nascente
novo, renovando a gente,

Brilhando em nossa jornada de realezas,

em tudo de nosso cantado,
dentro do peito, por tudo, caminhando.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Minha casa


Lá fora uma névoa fria,
uma nódoa escura
cobre gentes e molduras,
nesta cidade onde se dizia:

que era de Luz, e Alegria!
Mas como ser, se tem gente
passando frio e fome demente,
e aqui ninguém mal se dá bom dia??

Dentro do vidro o calor propicia
a gente ainda se sentir vivo,
a alma desejar ter voz e viço,

mesmo sabendo que a nevoa baldia
é gelada, ingrata e maltrata,
em todo lugar do mundo vejo minha casa...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Nascido em Sol


Indo de encontro
ao desconhecido ausente,
incessante, insistente,
tão desperto quanto tonto...

Indo de passagem
na estrada de soberba,
imprecisamente nas cercas
do virtual da mensagem.

Um grande tesouro se revela,
cada e todo dia existente,
que nos surge do sangue quente,

e faz cafés que o açúcar mela,
onde o doce falta, fala e surpreende,
pro dia nascer em Sol, na gente...

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Fora e dentro


Eu sigo em busca da Paz,
dos dois lados do peito,
me lambendo e caçando jeito,
assustado das voltas que faz

o Tempo em suas andanças...
Embora Ele, siga parado...
Este "sentir-se no rio", instalado
na gente gera a confiança

de que tudo caminha
nos tempos do que vivemos,
nas águas que nós vertemos,

na eternidade, vizinha,
parede e meia com o vento,
viva no que vivo fora e dentro...

domingo, 12 de novembro de 2017

Sob a Juriti



Plantar Louros, pra colher
nas vitórias pequenas,
porque nossas almas, serena,
e parece nos circular e tecer...

Plantar calma em barcos de correr,
em plataformas e caldos,
em estradas e saltos,
em melados bons de lamber...

Plantar Lírios e Tabacos,
Milhos, Abacates, Caquis,
Mates, Mamões e Pequis...

Plantar casos em gritos e nacos,
em rios distantes daqui,
em morros, sob o voo da Juriti...